Armazenagem e estocagem: entenda definitivamente a diferença entre as duas atividades

armazenagem e estocagem
12 minutos para ler

Você sabe o que é armazenagem e estocagem? Apesar de ser um conhecimento imprescindível para os gerentes logísticos, é comum que alguns profissionais tenham dúvidas básicas sobre o tema e, por esse motivo, preparamos este post.

Os estoques e os armazéns são elementos essenciais para o desenvolvimento da logística e também representam um ponto de muita atenção para os profissionais da área. Por isso, entender todos os detalhes que dizem respeito a eles é o primeiro passo para uma logística de excelência.

Quer descobrir essas diferenças e aprender mais sobre o tema? Então continue a leitura!

O que é armazenagem e como ela contribui para a empresa?

O conceito clássico de armazenagem diz que ela é o ato ou efeito de armazenar produtos e mercadorias que sofrem movimentações constantes para atender às demandas da empresa. Tecnicamente, ele não está incorreto, mas é limitado para os dias atuais.

Muito mais do que apenas colocar produtos em algum lugar, essa é uma estratégia vital para as empresas contemporâneas. Sua importância é indiscutível, principalmente porque ela pode contribuir de maneira significativa para o crescimento empresarial.

Em outras palavras, um negócio que tem uma armazenagem ineficiente pode ter toda a sua cadeia de suprimentos prejudicada e enfrentar muitas perdas e prejuízos. Daí a grande necessidade de investir na qualidade dessa etapa logística.

O que é estocagem e como ela contribui para a empresa?

A estocagem pode ser conceituada, de maneira simples e didática, como o ato de desenvolver ou criar estoque. Trata-se de mais uma estratégia logística vital para qualquer negócio — independentemente do porte ou segmento de atuação.

Quer saber qual é o seu real papel dentro do processo de crescimento empresarial? Todo gerente logístico sabe que ela é fundamental para a cadeia logística e de produção. Quando bem executada, assegura o atendimento eficaz dos pedidos, o cumprimento de processos just in time e impede a falta de um produto ou material.

Portanto, a estocagem faz parte das maiores e mais relevantes estratégias empresariais. Sem processos eficientes nessa área, dificilmente um negócio prospera e ganha espaço no mercado.

Quais são as diferenças entre armazenagem e estocagem?

Após compreender melhor os dois conceitos, podemos apontar as diferenças básicas entre essas duas etapas logísticas. Aliás, é interessante enfatizar que a confusão que fazem entre esses dois conceitos se deve ao fato de que o armazém é o local que recebe o estoque.

O conceito de estoque, portanto, está atrelado ao ato de guardar produtos, ao passo que o armazém é um local que pode receber inúmeros estoques, inclusive de empresas diferentes — como ocorre em um Centro de Distribuição (CD).

Como, na prática, esses dois conceitos estão relacionados à ação de alocar produtos e materiais, a confusão ocorre porque as diferenças básicas são ignoradas e porque é adotada uma visão superficial sobre o significado desses dois termos.

Além disso, podemos destacar alguns fatores fundamentais para diferenciar o que é armazenagem e estocagem. Confira abaixo!

Matéria-prima e produto acabado

Muita gente define estoque, exclusivamente, como a guarda de matérias-primas, enquanto armazenagem seria exclusiva para produtos acabados. Porém, na prática, tudo isso é indiferente. Ou seja, tanto estoque quanto armazenagem podem conter ambas as coisas.

Com isso, podemos dizer que os dois conceitos têm definições bem próximas, porém, o que não significa, necessariamente, que eles sejam iguais! Afinal, armazenagem remete muito mais a processos, métodos e planejamento, enquanto estoque é mais associado a conjuntos de itens, alocado em determinado lugar.

Portanto, para finalizar, podemos dizer que a armazenagem é a guarda de todos os estoques, independentemente do tipo, origem e fim dos itens estocados.

Dinamismo

Outra diferença entre o que é armazenagem e estoque está associada ao dinamismo dos processos. Afinal, o estoque remete a algo mais estático! Já a armazenagem, por estar ligada a sistemas e métodos, acaba promovendo a ideia de algo totalmente dinâmico e, de fato, é isso mesmo.

Enquanto os produtos estão parados nas prateleiras, podemos considerá-los, simplesmente, como o estoque da empresa. A partir do momento que ele se movimenta, seja para o processo de seu recebimento, seja para a expedição e venda, automaticamente, ele é inserido a um contexto de armazenagem e passará a se locomover entre setores e processos.

Por isso, a armazenagem deve ser flexível, fácil e prática.

Estrutura

Quando falamos de estrutura dentro de um armazém, devemos ressaltar que isso não se limita apenas a ter, simplesmente, um espaço físico para seu estoque. Ele precisa ser prático e dinâmico, tanto para estocar os itens de forma segura e inteligente, como para possibilitar a eficiência da armazenagem, movimentação, capacidade e desempenho.

Para isso, é fundamental estudar e aplicar um layout eficaz, contar com os equipamentos certos (desde os paletes até as prateleiras), estruturas fixas inteligentes e tecnologia. Acredite, um armazém dinâmico, muitas vezes, independe de seu tamanho, mas sim de sua organização.

Abrangência

Para finalizar o tópico, mostrando o que é armazenagem e qual a diferença com o conceito de estoque, podemos citar a abrangência dos processos envolvidos. Ou seja, como dissemos ao longo do texto, enquanto o estoque vai desde um produto até um conjunto de itens guardados em determinado local, a armazenagem engloba um sistema bem mais amplo.

Isso envolve métodos e etapas mais complexas, como o recebimento, a conferência, a estocagem, a movimentação, o picking, o carregamento e a expedição, por exemplo. Com essa ideia, conseguimos enxergar a abrangência do que é armazenagem e o que, simplesmente, é estoque.

Quais são as especificidades de cada um deles?

Para que fique ainda mais claro que armazenagem e estocagem não se referem ao mesmo processo logístico, é interessante conhecer as especificidades de cada um deles.

Assim, visando alcançar um melhor controle, otimização do espaço e agilidade nos processos de entrada e saída, a armazenagem é composta pelas seguintes atividades:

  • processos de recebimento;
  • estocagem;
  • distribuição;
  • expedição.

Por estar inserida dentro das atividades de armazenagem, a estocagem busca assegurar que a empresa tenha à sua disposição os produtos e os materiais necessários para atender às demandas de produção e entrega dos pedidos aos clientes — o que assegura o bom fluxo da cadeia de suprimentos.

ebook - logística empresarial guia completoPowered by Rock Convert

O que deve conter nas estruturas ideais de armazenagem e estocagem?

Indo um pouco além, é relevante apresentarmos a estrutura ideal de um armazém ou estoque. Afinal, sem esses elementos não há como evoluir com tais estratégias e a empresa pode enfrentar dificuldades para destacar-se dos seus concorrentes.

Portanto, qualquer estoque ou armazém deve ter uma estrutura que esteja adequada às estratégias do negócio, ao fluxo de materiais e aos controles necessários para o tipo de produto e de ciclo operacional existente.

Nesse sentido, podemos destacar três pilares nessa estrutura ideal:

  • armazenagem: atualmente, podemos encontrar diversas opções de estruturas convencionais — como porta paletes, estantes de picking e sistemas automáticos, como transelevadores e carros satélites;
  • movimentação: esse processo exige alguns recursos específicos para ser executado com qualidade — como empilhadeiras e transpaleteira manual ou automática;
  • controle: o controle é mais uma etapa fundamental e pode ser executado por meio de planilhas impressas ou digitais e, claro, com a utilização de um bom software — como o WMS.

Qual a importância de um bom sistema de armazenagem na empresa?

Pelo fato de a armazenagem abranger diversos processos, métodos e etapas, é fundamental que haja organização e eficiência nessa rotina, para garantir o funcionamento básico da empresa.

Para definir isso melhor, separamos algumas vantagens que um bom sistema de armazenagem pode trazer ao negócio. Confira abaixo!

Redução de custos

Todo gestor de logística sempre vai ter uma meta constante e frequente em seu trabalho: conseguir reduzir custos operacionais. Afinal, esses gastos estão presentes em qualquer operação e o único jeito é conseguir administrá-los e controlá-los.

Mas onde um sistema de armazenagem pode contribuir para isso? Simplesmente, em tudo! Imagine, por exemplo, que chegue um pedido grande em sua empresa, porém seu estoque não está muito organizado, além de, basicamente, funcionar de forma manual.

Então, para pegar determinado produto na prateleira, é necessário retirar outro da frente (para depois realocar no mesmo lugar), separar manualmente, conferir e expedir.

Percebe o quanto isso pode levar tempo, quantas pessoas e equipamentos precisariam estar envolvidas, quais os riscos de acidentes e erros? No fim, tudo isso pode gerar custos e ineficiência para os processos! Portanto, é essencial otimizar, ao máximo, o sistema de armazenagem e garantir sempre melhores desempenhos.

Organização

Ao longo do texto, falamos também que um armazém eficiente está muito mais relacionado à organização do que, propriamente, ao seu tamanho. Ou seja, um bom sistema de armazenagem é aquele que consegue otimizar todos os processos dentro do espaço, independentemente da sua metragem.

Por exemplo, um galpão único, se bem planejado, pode servir para estocar diferentes tipos de produtos, ser desenhado para garantir mais mobilidade e movimentação de pessoas, equipamentos e itens, além de poder garantir uma capacidade ideal de estocagem, mesmo sendo menor.

Tudo isso é possível graças a organização e planejamento dos espaços, em especial, quando se adota a verticalização do estoque. Por exemplo, mezaninos industriais e estruturas fixas podem aumentar a capacidade e melhorar o layout do armazém, apenas com a criação de novos setores, sem necessariamente, precisar construir ou fazer obras.

Eficiência

Outra vantagem de investir em sistemas de armazenagem é a eficiência gerada em seus processos. Por exemplo, aproveitando o mesmo exemplo dado no tópico de “redução de custos”, quando a empresa insiste em métodos manuais, a probabilidade de erros e falhas tende a ser maior sempre, além de as etapas, geralmente, serem mais lentas.

Ou seja, basta comparar, por exemplo, um processo de picking manual, no qual o operador precisa se dirigir até a prateleira, detectar o produto, usar uma empilhadeira e carregá-lo.

Agora, imagine o mesmo processo quando se conta com carros automáticos, elevadores e esteiras para separar o produto? Certamente, ele ganharia mais rapidez, agilidade e segurança, o que faz com que seus colaboradores possam realizar outras atividades mais produtivas.

Segurança

Por fim, um bom sistema de armazenagem, além de trazer mais eficiência, organização, redução de custos e desempenho, também proporciona um fator fundamental dentro da empresa: a segurança da operação.

Quanto mais manual o trabalho, maiores são as possibilidades de acidentes e falhas, concorda? Isso afeta tanto a integridade dos produtos, como, principalmente, a segurança e a vida do funcionário.

Por exemplo, os sistemas de picking automatizados são muito mais seguros do que um operador em sua empilhadeira, movimentando cargas altas e pesadas. Um pallet de aço também garante muito mais estabilidade do que os convencionais de madeira, além de evitarem mofos, quebras e facilitarem a higiene do local.

Enfim, equipamentos e sistemas de armazenagem garantem muito mais segurança às operações e evitam que possíveis acidentes venham a ocorrer.

Como escolher a melhor opção para a empresa?

Após todas as informações apresentadas, é possível que surja a dúvida sobre qual dessas opções você pode implementar dentro de seu negócio. Nesse caso, é necessário destacar que as questões estratégicas de armazenagem e estocagem — com um alinhamento entre o foco empresarial e seus objetivos — asseguram um bom ROI.

Tal escolha, portanto, deve ser pautada em uma análise precisa do volume do fluxo de materiais e do tipo de produto que a empresa trabalha. Isso pode ser definido com o auxílio de uma consultoria especializada, capaz de desenvolver projetos e fornecer estruturas e sistemas de armazenagem que atendam às demandas do negócio.

Assim, é importante observar que ter um estoque permite que a empresa mantenha o fluxo de atividades constante. Porém, quando há grandes volumes de materiais ou diferentes tipos de produtos, apostar em um armazém pode simplificar o controle e a conservação dos itens.

Além disso, a própria localização geográfica e os canais de distribuição podem indicar a necessidade de um modelo ou de outro — inclusive de um armazém terceirizado.

E então? Conseguiu entender o que é armazenagem e quais são as principais diferenças com a estocagem? Conforme mencionamos, essas duas estratégias têm uma importância muito grande para o desenvolvimento empresarial.

Não importa o tamanho de sua empresa, tampouco o tipo de produto que é manuseado, é preciso ter cuidado e atenção ao estruturar seus estoques e armazéns, para garantir a eficiência dos processos e a melhor experiência aos seus clientes.

Gostou do material? Quer mais dicas sobre o assunto? Então confira também um outro post nosso e conheça 5 passos para melhorar a produtividade na armazenagem e estocagem.

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

2 thoughts on “Armazenagem e estocagem: entenda definitivamente a diferença entre as duas atividades

  1. Excelente matéria, porém em outro contexto podemos lembrar que temos o armazenamento e estocagem no agronegócio que esta cada dia crescendo e inclusive trazendo empresas de fora para realizar esta logística que é o caso da Hidrovias do Brasil realizando transporte de grãos e fertilizantes do MT para Barcarena PA e de la para sudeste do brasil , EUA e Europa. O Brasil produz aproximadamente 180 milhões de toneladas de grãos por ano. Em contrapartida, sua capacidade de estocagem, que está dispersa pelo território nacional, só dá conta de 140 milhões dessas toneladas.Nesse contexto, o produtor que se encontra longe de um silo de armazenagem tem problema dobrado: além de ter que se preocupar com o transporte dos grãos até o armazém. E as Estação de transbordo de Grãos tem um contexto diferente de armazenagem e estocagem.

    1. Olá Adilson! Que bom que gostou do nosso artigo, ficamos felizes!
      Sua observação é muito boa, realmente para quem trabalha com produtos perecíveis os desafios são muitos, onde além do controlar o estoque é preciso se atentar à conservação dos produtos… Neste contexto temos um outro artigo sobre a armazenagem de produtos perecíveis, que pode ser interessante: https://blog.longa.com.br/como-armazenar-produtos-pereciveis/

      Grande abraço!

Deixe uma resposta

-