Conheça 10 importantes indicadores de desempenho logístico

indicadores de desempenho logístico
11 minutos para ler

Uma das estratégias mais importantes para a otimização dos processos na cadeia de suprimentos é o monitoramento por meio de indicadores de desempenho logístico. Isso porque, muito mais do que um bom plano de ação, é necessário acompanhar a execução dessas tarefas.

Seja qual for o tamanho do seu negócio, é certo que os bons resultados do setor logístico são preponderantes para o crescimento empresarial. Assim sendo, como gerente ou gestor na área, é seu dever implementar boas estratégias e se certificar de que elas oferecem o retorno esperado.

OTIF, OTD, OCT, seja qual for o indicador escolhido — contanto que esteja dentro das estratégias do negócio —, ele ajudará sua empresa a atuar de forma mais robusta e controlada, evitando erros e falhas reincidentes que causam transtorno para a operação, e insatisfação dos clientes.

Entender corretamente como cada um dos resultados desejados pode ser monitorado é essencial para o bom funcionamento da sua empresa. Quer saber um pouco mais sobre o assunto? Então, continue lendo!

Quais são os indicadores mais importantes para uma operação logística?

Acompanhar a operação por meio de indicadores é essencial. Porém, cada empresa trabalha de uma forma, o que faz com que não exista nenhuma regra de aplicação de KPI’s. É preciso identificar quais pontos são os mais críticos e, então, verificar como monitorá-los.

De qualquer forma, selecionamos alguns dos indicadores que mais são aplicados na área logística, independentemente do segmento de atuação da sua empresa. Confira abaixo.

1. On-Time & In-Full (OTIF)

O funcionamento de qualquer negócio deve ter como meta a satisfação de seus clientes. Essa é uma das principais razões para que você não deixe de acompanhar o OTIF, já que ele mensura a eficiência da logística pela ótica do consumidor.

Em resumo, temos um indicador que observa se o pedido foi entregue dentro do prazo (on-time) e se os demais processos de atendimento e logísticos foram eficientes (in-full). Em outras palavras, verifica-se se o cliente recebeu a mercadoria que pediu, dentro do prazo e no endereço correto. A fórmula é a seguinte:

OTIF = número de entregas OTIF / número total de entregas x 100

Para obter resultados confiáveis e aproveitar os dados colhidos, é aconselhável ter os registros de data e hora em que o pedido foi feito, contar com uma previsão de entrega ao cliente e, claro, manter as informações de OTIF atualizadas.

2. On-Time Delivery (OTD)

Esse indicador logístico é de grande relevância dentro do contexto de uma indústria, pois visa mensurar o percentual de pedidos que foram entregues dentro do prazo ajustado.

Destaca-se que, como a intenção é avaliar o tempo gasto entre a separação e expedição do produto até a efetiva entrega pela transportadora, os dados incorretos de especificação dos pedidos não são levados em consideração. Observe o cálculo:

OTD = total de entregas do prazo / total de entregas x 100

Para que esse indicador seja acompanhado da maneira mais produtiva possível, é recomendado que os dados sejam conferidos diariamente e que o percentual sempre esteja acima dos 90%.

3. Order Cycle Time (OCT)

Esse é mais um indicador que visa mensurar a velocidade com que os pedidos são atendidos dentro da indústria. Assim sendo, o OCT analisa-se o tempo total gasto entre os processos de recebimento do pedido e a entrega ao cliente.

Veja que esse é o prazo informado ao consumidor no ato da compra e que, portanto, deve ser cumprido com excelência. O seu cálculo é simples:

OCT = data da entrega – data do pedido

Em um cenário ideal, é indicado que os pedidos sejam entregues em um prazo inferior a 24 horas em localidades próximas à empresa. Por outro lado, é importante ter controle sobre todas as variáveis que podem interferir nesse dado.

4. Acuracidade do Inventário

A Acuracidade do Inventário é um indicador logístico interessante e que otimiza a gestão do estoque da indústria. Sua função é medir a diferença entre o estoque real (aquele presente no armazém) e o estoque registrado nos sistemas.

É comum que exista essa diferença, especialmente em razão de erros humanos e ineficiência dos métodos utilizados para gerenciar e atualizar os dados do estoque. Por isso, é importante ficar atento a esse aspecto e se esforçar para manter esse número sempre próximo de 100%.

A fórmula para encontrar esse percentual é a seguinte:

Acuracidade do Inventário = estoque físico / estoque registrado no sistema.

5. Avarias no Transporte

O transporte é uma das etapas logísticas mais complexas que existem. A explicação é simples: para que um produto deixe a indústria e chegue até o consumidor final, é necessário transpor inúmeros obstáculos e cumprir diversos processos.

Com estradas em más condições, transportadoras ineficientes, altos custos com combustível e manutenção e dificuldades de rastreio das cargas, é extremamente importante que o gestor fique atento ao índice de avarias que ocorrem durante o transporte.

Lembre-se de que cargas entregues com irregularidades são um problema à sua reputação e podem prejudicar a relação com os clientes. Por isso, sempre preste atenção nesse dado.

6. Tempo necessário para resolução de problemas

Uma logística eficiente nem sempre está relacionada à inexistência de problemas. Em regra, há situações que não estão sob o controle total dos gestores e funcionários e, por isso, é possível que erros e contratempos surjam em algum processo logístico.

Nesses casos, é importante que o cliente tenha sua reclamação atendida em tempo hábil. Evitar que um problema se prolongue por muito tempo é importante para reforçar uma boa imagem perante os clientes e, também, assegurar que tais situações não prejudiquem o andamento do trabalho.

Para medir esse tempo de resposta, você deve registrar os dados da entrada do problema e a data em que a demanda foi definitivamente superada.

7. Turnover

O Turnover é um indicador básico para qualquer setor de uma empresa. Porém, é necessário enfatizar o quanto ele é fundamental para a manutenção de um bom nível de trabalho na logística.

Mensurar a rotatividade dos funcionários do setor é extremamente relevante, pois a troca constante de mão de obra pode revelar um problema de gestão, de condições de trabalho e, inclusive, de valorização do colaborador.

Ademais, quando se analisa os impactos dessa rotatividade para a produção, é visível o quanto ela pode retardar e prejudicar os prazos, gerando uma instabilidade constante nas atividades desempenhadas.

8. Custo de transporte como porcentagem de venda

Os custos logísticos de uma empresa representam grande parte do orçamento. Sendo assim, buscar os menores gastos é fundamental para que um negócio mantenha sua saúde financeira e possa competir no mercado.

Ao monitorar os custos de transporte, a empresa poderá verificar o quanto ele está representando do total das vendas efetivadas em determinado período. Assim, poderá ser evidenciado se os valores pagos de transporte estão dentro do esperado, ou se precisam ser reduzidos.

​Pode ser calculado com a seguinte fórmula:

Custo transporte como % de vendas = total dos custos de transporte ÷ total de x 100.

9. Order Fill Rate (OFR)

Conhecer os detalhes de cada processo é essencial para buscar maior eficiência na operação. O indicador OFR tem como objetivo calcular qual é o tempo gasto no processamento interno de um pedido de compra, desde a separação, ou picking, até a expedição.

Quanto mais segregada é a avaliação, mais preciso será o resultado. O ideal é que o indicador seja aplicado de forma separada em cada linha de produção, cliente ou tipo de mercadoria, e seja medido de forma frequente. O cálculo pode ser feito de forma simples.

OFR = Média de tempo de processamento de cada pedido.

​10. Giro de estoque

A eficiência de utilização do estoque é essencial para monitorar o resultado da empresa e a eficácia nas decisões tomadas em relação aos produtos que se escolhem ter em estoque. O desempenho do estoque está diretamente ligado a qualidade das operações de vendas.

Com esse indicador, a empresa evidenciará quais sãos os produtos que mais saem do estoque, e quais são aqueles que estão a mais tempo lá, correndo o risco de ficarem obsoletos. A fórmula para fazer o cálculo é a seguinte:

Giro de estoque = vendas / média do estoque (estoque inicial + estoque final / 2). 

​O ideal é separar as vendas por clientes ou por tipo de produto, para que as análises sejam feitas de forma mais robusta e precisa.

Tempo de trânsito

atendimento dos prazos é elemento principal quando falamos de satisfação do cliente, e por esse motivo é fundamental acompanhar os tempos de trânsito de cada entrega. Com isso, a empresa poderá verificar o nível de qualidade total praticada, e o quanto da satisfação do cliente está relacionada com o transporte.

Caso a avaliação mostre resultados negativos sobre esse aspecto, é preciso que a equipe trabalhe para verificar os gargalos da operação e qual é a causa raiz do problema, para que possa ser tratado e eliminado do processo, melhorando os resultados.

Como escolher o indicador logístico certo para sua empresa?

Como afirmamos acima, cada operação logística tem suas particularidades. Em alguns casos, pode ser crítico monitorar a velocidade em que são atendidos os pedidos, em outra, pode ser mais importante utilizar o indicador OTIF para mensurar a eficiência logística.

A escolha dos KPI’s está diretamente relacionada à criticidade, aos gargalos da operação e aos processos que mais dão dor de cabeça para a empresa. Além disso, ainda devem ser levados em consideração as metas estratégicas da empresa.

Por exemplo, se a empresa tem como objetivo aumentar o nível de satisfação dos clientes para 97%, é preciso monitorar cada entrega para verificar a quantidade de avarias, atrasos ou extravios que aconteceram no meio do caminho — fatores que estão diretamente ligados à satisfação.

Se a empresa tem muitos problemas relacionados a furo de estoque, e começa a falhar nas entregas para os clientes, se faz necessário monitorar cada processo. Então, o KPI de acuracidade de inventário é fundamental para manter a operação bem monitorada.

Se você tem dificuldade em escolher os indicadores para monitorar sua operação, separamos algumas dicas que podem ser interessantes para a evolução do seu negócio.

Serem definidos de acordo com a estratégia da empresa

Cada negócio tem sua missão, visão e valores. Os indicadores logísticos devem ajudar a operação a atingir o que ela se propõe a fazer. Por esse motivo, eles devem estar relacionados aos objetivos estratégicos da empresa, que foram já definidos pela alta administração.

Proporcionar robustez à operação

Os indicadores precisam ser planejados de forma consistente, com um objetivo claro e a partir de dados verdadeiros. É mais vantajoso para a empresa mostrar os resultados negativos e os pontos fracos da operação, a fim de melhorá-los, do que maquiar os resultados para mostrar eficiência no papel.

​Serem acompanhados com frequência

A frequência é fator essencial para que os indicadores alcancem os resultados adequados e mapeiem os processos de forma precisa. Se você deseja evidenciar como está a operação em determinado período, é preciso determinar quantas vezes serão necessárias verificar cada item para obter uma resposta coerente, ou por quanto tempo é preciso acompanhar para chegar a um número preciso.

Tirar dos indicadores um plano de ação

Monitorar a operação não é o suficiente para que os gargalos sejam eliminados, ou que as reclamações de clientes diminuam. Com os dados levantados pelo indicador, a equipe precisa buscar a causa raiz dos problemas e criar um plano de ação para resolução deles.

A logística se tornou uma área estratégica para o desenvolvimento empresarial e isso trouxe um grande desafio aos gestores e profissionais que atuam na área. Garantir que o trabalho seja de qualidade, estável e eficiente é uma meta complexa, mas plenamente possível. Para isso, é preciso apostar nas estratégias, em ferramentas, e buscar parceiros adequados.

Os indicadores logísticos, se bem aplicados, afetam diretamente na competitividade da empresa. A correta utilização do OTIF, por exemplo, não mapeará apenas o quão eficiente é o processo, mas pode influenciar de forma mais ampla as decisões da alta administração sobre ações para melhorar a operação, em busca de aumentar o nível de satisfação dos clientes. O mais importante é que a equipe entenda para que serve um indicador e quais são os benefícios que eles trarão para cada atividade.

Nosso post ajudou você a definir qual indicador utilizar na sua operação? Se você gostou do conteúdo, que tal assinar a nossa newsletter para receber mais conteúdos como este direto na sua caixa de e-mail?

Você também pode gostar

2 thoughts on “Conheça 10 importantes indicadores de desempenho logístico

  1. bom dia amigos

    Gostei muito do material referente aos indicadores Logísticos apresentados pelo portal. Parabens

    A título de sugestão, desenvolver material ref. aos sistema WMs, algumas empresas nunca conseguir implantar 100% esta ferramenta.

    Eudes Félix

Deixe uma resposta

-
Assine nossa Newsletter

Assine nossa Newsletter

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos sobre Logística e Sistemas de Armazenagem

Obrigado por se inscrever!