layout do centro de distribuição

Layout do centro de distribuição: como tornar a logística mais efetiva?

O setor logístico é composto por diversos elos que formam um sistema integrado em busca de tornar o processo mais produtivo como um todo. Nessa junção das partes, o layout do centro de distribuição é um pedaço importante do quebra-cabeça para quem busca eficiência, otimização e qualidade nos procedimentos.

A maneira como os materiais estão organizados em um armazém faz total diferença no fluxo logístico. Talvez você já tenha ouvido muito sobre a importância desses ajustes, mas não saiba como fazê-lo na prática.

Neste post, explicamos como o layout do centro de distribuição pode ser a chave para economias de tempo e recursos, além de influenciar o aspecto da segurança. Acompanhe, a seguir, e tire suas conclusões. Boa leitura!

Qual a importância do layout do centro de distribuição?

Primeiramente, o objetivo primordial do centro de distribuição é oferecer melhorias significativas ao fluxo de materiais. Dessa forma, pode-se aproveitar o máximo possível o espaço disponível.

A partir dessa premissa, a necessidade de um planejamento estratégico é urgente no sequenciamento de tarefas. Planejar o centro de distribuição envolve a organização dos equipamentos, a higienização, o volume e a categorização dos objetos, o estudo da movimentação de cargas e por aí vai.

Consegue perceber o quanto um fator está ligado a outro e como todos eles transformam o armazém em um alvo para mudanças positivas? Quando o layout está correto, os ganhos com a produtividade podem elevar o nível da empresa para um patamar nunca atingido.

Isso acontece porque a boa disposição das mercadorias é responsável pela facilitação das atividades logísticas. Assim, flexibilidade e redução de custos e tempo nas operações são apenas consequências de um trabalho planejado.

Muitos centros de distribuição enfrentam dificuldades para alinhar a implementação de processos. Na maioria dos casos, o gestor de logística pode até ignorar, mas o maior problema tem relação com a organização do ambiente físico, que provoca distúrbios não só na cadeia de serviços operacionais, mas na própria atmosfera de trabalho.

Um item movimentado por muito tempo no armazém pode sinalizar um fluxo prejudicado pela falta de um layout estratégico. Além das chances de avarias, as consequências da movimentação desnecessária giram em torno do desperdício de tempo, esforço e recursos.

Assim, quem deseja acertar no layout do centro de distribuição deve estar disposto a repensar o espaço disponível nos mínimos detalhes. Somente por meio de um bom planejamento do armazém é possível idealizar as melhores formas de otimizar processos como o picking (separação dos produtos).

O planejamento é o primeiro passo e, com ele, existe uma série de boas práticas que podem ajudar a companhia a conseguir resultados em pouco tempo.

Quais práticas podem aprimorar a logística?

Giro de material

O layout do armazém é um dos maiores responsáveis pelo sucesso no processo de picking. Quando ele está bem organizado, o operador não precisa perder tempo nas etapas de carga e descarga de produtos.

Produtos de baixo giro podem ficar em posições menos favoráveis. Busque projetar um arranjo que garanta a proximidade dos produtos mais populares aos pontos de entrada e saída e sempre em altura acessível.

Do contrário, a distância a ser percorrida e a dificuldade para alcançar as mercadorias podem trazer mais barreiras para a operação.

Tecnologia

A tecnologia no centro de distribuição é essencial para estabelecer o controle otimizado e o mais longe possível das falhas humanas. Afinal, a automação dos processos torna as informações mais confiáveis e traz ganhos maiores em produtividade.

A coleta de dados é um exemplo de processo que sofreu grande evolução. O uso de códigos de barras e sistemas de identificação por radiofrequência (Radio Frequency IDentification – RFID) é uma realidade na maioria dos grandes centros de distribuição.

Ou seja, o mercado está repleto de opções de sistemas de gestão para o setor logístico. O gestor deve analisar e definir qual transmite mais segurança e se encaixa na realidade da empresa.

Estoque nos corredores

Parece até uma medida contraprodutiva, mas, se houver planejamento adequado, a estocagem no corredor pode trazer sucesso para o setor. Pode-se começar com um corredor curto e um produto que chegará em uma remessa.

Se a mercadoria chegar em grande quantidade, esse tipo de estocagem é ainda mais fácil. No entanto, evite itens que exigem movimentação do tipo em que o primeiro que entra é o primeiro que sai (First In, First Out – FIFO).

Além disso, tente usar um corredor com o mesmo produto nas estruturas porta-paletes. Ao despachá-lo antes dos outros, essas bases se tornam parte da estocagem ao criar dupla profundidade em um espaço onde antes não existia nada.

Limpeza e organização

A limpeza do ambiente de trabalho é fundamental para a conservação das mercadorias. Por isso, a higienização e a manutenção da limpeza precisam ser levadas em consideração constantemente.

Outra prática simples que pode fazer grande diferença é a organização dos equipamentos. O que não está em uso deve ser mantido em áreas distantes dos setores de picking e packing. O mesmo serve para os tipos de empilhadeiras mais usados, o caminhão de palete elétrico, os caminhões de empilhadeira e outros.

Quando equipamentos desnecessários são deixados no corredor do armazém, os procedimentos se tornam mais complicados. Sem contar com a probabilidade de acidentes relacionados à falta de organização. Todo o cuidado é pouco!

Mapa de entregas

Elaborar um mapa com as entregas é essencial para acompanhar o progresso com a reconfiguração do layout. Nesse documento, podem-se mapear todas as entregas do mês, de modo a aprimorar a distribuição. Uma boa dica é incrementar o mapa com:

  • valor da compra;
  • prazo para entrega;
  • distância a ser percorrida.

Dessa forma, abre-se caminho para priorização de entregasrotas mais inteligentes. Ficou claro o quanto a armazenagem é capaz de trazer influências positivas e negativas em uma empresa?

A cadeia logística é feita de um fluxo de etapas interligadas. Portanto, para colher bons resultados, é preciso estar disposto a repensar cada procedimento executado no dia a dia de trabalho.

Agora que você aprendeu mais sobre o layout do centro de distribuição, que tal compartilhar este texto em suas redes sociais? Assim, outros interessados nesse assunto podem ter acesso a ele!

newsletter blog da longa industrial

Inscreva-se em nossa Newsletter!

Receba nossos conteúdos por e-mail.

Seja bem-vindo à nossa newsletter!

Sem comentários

Cancelar