Tipo de estoque: como escolher o melhor modelo para sua empresa?

como escolher o tipo de estoque
9 minutos para ler

Você sabia que o tipo de estoque de uma organização pode dizer muito sobre a empresa como um todo? Com tantos detalhes e peculiaridades, a forma de armazenar insumos e equipamentos se tornou um ramo da Administração. Para o profissional de logística, a responsabilidade só aumenta, já que definir a melhor forma de estocar não parece ser tarefa fácil.

Em algumas companhias, a gestão de armazenamento chega a ser considerada o verdadeiro coração da empresa. Um estoque bem gerenciado precisa refletir as principais informações sobre o negócio, como: tipo de item comercializado, proporção da demanda e variedades. A boa gestão dos produtos armazenados precisa andar de mãos dadas com a administração do empreendimento. Para isso, é fundamental que o tipo de estoque esteja alinhado com o estágio de maturidade da empresa.

Nos últimos anos, o setor da logística tem sido caracterizado pela diversidade de soluções inovadoras e bem categorizadas, que podem alavancar o crescimento das empresas se forem bem estudadas e selecionadas. Um erro na escolha do modelo certo pode prejudicar as operações trazendo efeito contrário, negativando o desempenho econômico e possibilitando a insatisfação do cliente.

Se você quer descobrir como optar pelo tipo de estoque mais adequado para as necessidades do seu negócio, este post poderá funcionar como um incrível guia em sua busca. Acompanhe!

Tipo de Estoque: principais modelos

Para cada tipo de produto e modelo de negócio, há uma estratégia de estoque a ser implementada. É preciso que os gestores tomem a decisão fundamentada com pesquisas robustas sobre o que é melhor para a empresa. Afinal, essa escolha pode fazer com que ela tenha uma boa gestão de estoques, com a demanda equilibrada com as compras ou produção das mercadorias, ou que tenha prejuízos com estoque obsoleto. Listamos as principais estratégias que podem ser utilizadas:

Estoque de Antecipação (ou Sazonal)

Alguns modelos de negócio trabalham com demandas futuras bem planejadas, fundamentadas de acordo com estatísticas de mercado ou mesmo a informação do cliente, o que permite que o planejamento de compras ou produção seja feito com antecedência. Um bom exemplo é uma fábrica de chocolates. Durante a Páscoa, as vendas tendem a aumentar, então o ideal é que o estoque cresça durante esse período e depois volte aos níveis normais.

A grande vantagem é que as lojas não ficarão sem estoques durante períodos de altos volumes, melhorando o resultado financeiro. Porém, há o risco de erro no planejamento da demanda, fazendo com que as vendas não aconteçam como planejado, e haja prejuízo.

Estoque Consignado

O estoque consignado funciona como um acordo entre o comprador e o vendedor, para que os itens que não foram consumidos ou vendidos durante um determinado período possam ser devolvidos para o fabricante.

Nesse caso a vantagem é que o comprador pode, com segurança, ter um estoque elevado durante o período de sazonalidade, sem risco de ficar com a mercadoria parada. Porém, é preciso ter muita atenção durante o acordo e ter um fornecedor de confiança. Conhecer o histórico do fornecedor antes de fechar o contrato é sempre muito importante e ajuda a evitar problemas.

É fundamental ressaltar que, apesar de a guarda ser estabelecida por meio de algum acordo entre as partes, a propriedade dos produtos continua sendo do fabricante.

Dropshipping

Adotado pela maioria dos e-commerces e empreendedores individuais de marketplaces, o esquema do dropshipping se baseia no recebimento das vendas online e encaminhamento direto ao fornecedor, que enviará o produto ao cliente.

A empresa nem precisa ter acesso ao produto, atuando apenas no intermédio para venda que chegará para o cliente em nome da sua empresa. Nesse caso, o lucro está na diferença de preço entre o valor divulgado na loja online e o que o parceiro dropshipping cobra.

A vantagem desse processo é relacionada aos tributos que o fornecedor paga pelo estoque, que geralmente tem um custo menor, pois, na maioria dos casos, refere-se a uma empresa de outro país. O risco existente é o de falha nas entregas. Novamente, o fornecedor deve ser muito confiável e os contratos devem ser claros.

Estoque de Contingência

O estoque de contingência é um tipo de estoque necessário para quando a empresa compradora já teve problemas de entrega com determinado fornecedor ou ele está correndo o risco de quebra. Não é vantagem para a empresa, pois precisará aumentar os níveis de estoque por segurança, aumentando, por consequência, os custos. Em casos como esse, a questão é a segurança de que o seu cliente não ficará sem produtos por causa de um fornecedor.

Estoque Inativo

O estoque inativo é composto pelos itens que não tiveram saída em um determinado período. Também podem ser chamados de produtos obsoletos. Nesse caso, a variação de tempo muda de acordo com a determinação do gerente de estoque e/ou conforme a área em que a empresa atua.

Powered by Rock Convert

Os obsoletos representam prejuízo para a empresa, pois estão ocupando espaço, têm custo de manutenção, mas não geram resultados. Estoque parado é o mesmo que um investimento sem retorno, o que não é bom para nenhuma empresa.

Estoque de Proteção (ou Isolador)

O estoque de proteção funciona compensando demandas acima do esperado. Como o nome já indica, ele serve para proteger as solicitações, mantendo-se sempre acima do tempo de reabastecimento. Se no tipo de negócio as eventualidades são quase uma tendência, esse modelo de estoque pode ser o ideal. Ele é voltado para evitar que a companhia seja “pega de surpresa” e fique desabastecida. Se um fornecedor atrasar a entrega, as operações não precisarão parar devido ao esquema de compensação.

Estoque Máximo

É o modelo no qual se estoca a quantidade máxima de itens dentro de um período estipulado previamente, até que haja a possibilidade de fazer um novo pedido. Apesar de parecer ser um método onde os custos são mais elevados, a vantagem é que o poder de negociação com o fornecedor fica maior, visto que os volumes de compras são maiores. Geralmente aplicado para quando o custo com fretes é muito elevado.

É importante destacar que o cálculo de armazenagem máxima deve considerar a quantidade já determinada para que pedidos acumulados não sejam feitos, comprometendo o espaço disponível para estocagem ou desperdiçando dinheiro.

Estoque Médio

Ideal para empresas que trabalham com produtos perecíveis, o estoque médio representa a metade do estoque normal adicionado ao estoque de segurança (safety stock).

Estoque Mínimo

É formado pela quantidade mínima para que a solicitação do pedido de compra de um item específico ocorra. Aplicado geralmente a produtos de menor valor agregado, assim, o fornecedor estabelece o menor número de produtos a serem produzidos que cubram os custos com a produção e fretes. Também conhecido como Ponto de Ressuprimento, esse tipo de estoque é frequentemente utilizado por PMEs ou por aquelas que trabalham com produtos on demand.

Estoque Compartilhado

O estoque compartilhado é quando as mercadorias que atenderão as lojas online e offline estão dispostas em um mesmo armazém. Utilizado quando uma empresa tem loja física e também o e-commerce. Pode funcionar também com lojas que vendam o mesmo produto e, por meio de uma parceria, utilizam um mesmo estoque.

A vantagem com esse tipo de estoque é a economia com custo de armazenagem e mão de obra com manutenção. Porém, se o sistema de gestão não for robusto, o risco de divergências e falta de estoque é grande. O ideal é ter um software de armazenagem que controle as saídas de forma automática, principalmente para lojas online.

Estoque de Ciclo

O estoque de ciclo foi designado para as organizações que operam com vários produtos ou em diferentes estágios. O ideal para uma empresa que fabrica muitos produtos diferentes é que consiga programar o ciclo produtivo de cada produto. Afinal de contas, os itens podem não ser fabricados ao mesmo tempo, mas costumam ser comercializados de maneira simultânea.

Portanto, a opção mais interessante é garantir um planejamento de armazenagem que converse com o período de vendas para suprir a demanda.

Estoque de Segurança (Safety Stock)

É aquele que garante tanto a entrega quanto o suprimento em casos inesperados de alta demanda ou, até mesmo, por precaução, caso algum lote seja reprovado em um controle de qualidade, por exemplo. É muito aplicado aos itens comprados de fornecedores internacionais, que têm um leadtime maior para as entregas. Assim, a empresa fica abastecida entre uma entrega e outra.

Estoque em Trânsito

Trata-se do estoque montado com base nos itens que estão nos veículos de transporte, prontos para serem despachados pela transportadora. O período contado é aquele em que esses produtos permanecem dentro dos veículos em que estão sendo conduzidos.

O bom controle de estoque é vital para manter a organização física das mercadorias e planejar as entradas e saídasde cada item. Sem o controle eficiente, as vendas podem ser perdidas, proporcionando prejuízos financeiros.

O sucesso da gestão de estoques de uma empresa está diretamente relacionado a escolha da estratégia de qual tipo de estoque será aplicado no negócio. Os resultados financeiros da empresa podem ser influenciados por essa decisão, portanto, é preciso fundamentar a escolha a partir de cálculos e de um estudo de mercado.

Quer melhorar ainda mais a sua gestão de estoque? Então veja como a paletização das mercadorias pode te ajudar!

Você também pode gostar
-
Assine nossa Newsletter

Assine nossa Newsletter

Receba conteúdos exclusivos e gratuitos sobre Logística e Sistemas de Armazenagem

Obrigado por se inscrever!